O Fantástico Mundo de Baumgarten

Uma incrível perda de tempo narrando as experiências (uii!) e pensamentos de alguém que vê o mundo em outras cores. P.S.: "outras cores" é uma metáfora, não sou de maneira alguma estragado dos olhos. Se você pensou isso, a culpa é do português, essa maldita lingua que permite dupla conotação. Se mesmo assim você não entendeu, é uma pessoa burra demais pra merecer minha atenção e eu provavelmente só lhe trato bem por interesse ou pena. Pare de chorar e viva com isso!

Minha foto
Nome:
Local: Rio Grande, RS, Brazil

Todas as religiões convergem em um ponto: é impossível descrever Deus de maneira coerente. Partindo deste princípio universal, me resguardo o direito de não falar muito sobre mim. Resumidamente: sou autoritário, temperamental, tenho rompantes de anti-socialidade, gosto de ficar sozinho e busco desesperadamente na vida a eternidade. Buenas, é isso, seu fuxiqueiro curioso dos infernos!

29.4.13


Não é só a RBS que faz isso, mas enfim... agora jornalista virou juiz!

Cabe reparar que, apesar de usar "suspeito" como identificador (para evitar processo, caso fosse no Brasil), o jornalista deixa transparecer que já houve um julgamento (dele, provavelmente próprio) e que o "suspeito" já teve decretada sua prisão e, possivelmente, execução sumária.

Onde eu vejo isso? Simples, no verbo principal da frase: CAÇA.

Não se "caça" delicada e amigavelmente coisa alguma, se caça algo para eliminar, apreender violentamente, consumir (talvez em prol do apaziguamento da fome social por culpados). E geralmente se "caça" animais, o que o jornalista, ainda que inconscientemente, diz que o "suspeito" é.

O que eu acho sobre isso? Eu não acho nada, não tenho informação suficiente (ou imparcial o suficiente) para julgar se o suspeito é ou não é o criminoso. Se for, que se passe o dito cujo pelo sistema legal e deixe o sistema punir de acordo. Mas só resolvi postar isso para dar uma diversão aos desocupados rede afora bwahuehuaheuaeuhauehauehauheu