O Fantástico Mundo de Baumgarten

Uma incrível perda de tempo narrando as experiências (uii!) e pensamentos de alguém que vê o mundo em outras cores. P.S.: "outras cores" é uma metáfora, não sou de maneira alguma estragado dos olhos. Se você pensou isso, a culpa é do português, essa maldita lingua que permite dupla conotação. Se mesmo assim você não entendeu, é uma pessoa burra demais pra merecer minha atenção e eu provavelmente só lhe trato bem por interesse ou pena. Pare de chorar e viva com isso!

Minha foto
Nome:
Local: Rio Grande, RS, Brazil

Todas as religiões convergem em um ponto: é impossível descrever Deus de maneira coerente. Partindo deste princípio universal, me resguardo o direito de não falar muito sobre mim. Resumidamente: sou autoritário, temperamental, tenho rompantes de anti-socialidade, gosto de ficar sozinho e busco desesperadamente na vida a eternidade. Buenas, é isso, seu fuxiqueiro curioso dos infernos!

5.4.08

Top 10 - Melhores Jogos Eletrônicos da História

Eis que do alto de minha onipotência eu lhes absolvo da responsabilidade de ter de raciocinar a respeito de quais são os melhores jogos eletrônicos da história e lhes dou a lista pronta, claro, em caráter indiscutível, pois quem discute com Sir Baumgarten não mais será.

Direto à lista:

10 - Ballon Fight (NES)

Um dos melhores jogos que ninguém conhece, jogou ou sequer jogará. Seus gráficos minimalistas (somente infiéis dizem que os gráficos são podres. Na verdade eles eram propositalmente rudimentares para estimular a criatividade do jogador) mostram a tremenda odisséia de um pintinho sem asas que se valia de dois balões para sobrevoar os céus e livrar o mundo dos coiotes, que na safadeza também utilizavam balões para voar atrás do pobre pintinho vermelho e azul. O jogo consistia em tentar pisar nos balões dos coiotes para derrubá-los e no processo evitar de ser pisoteado por eles OU ser comido pelo terrível peixe engolidor. Eu, como era fodão, ficava brincando de pegar com o peixe, somente para demonstrar aos coiotes que eu podia e eles não. Venci 100x esse jogo na minha famigerada e mistica "fita de 115 jogos" que havia vindo junto com meu Top Game.


9 - Crash & Burn (3DO)

Um jogo que era bom pra caralho. Claro que novamente ninguém conhece, jogou ou jogará, pois o 3DO foi um console obscuro que só nerds e tarados sabiam da existência. A coisa toda consiste numa corrida de carros futuristas com armas em que podes matar, tocar fogo, detonar e fazer outras coisas meigas com teus concorrentes, sem as putices do Carmageddon que nem arma tinha. A sensação de velocidade era foda e como a emulação de 3DO é uma merda nem adianta vocês tentarem conseguir a ROM, vão ficar só com a visão imaginária do jogo. Na real pode ate ser uma merda e eu estou enganando a todos, mas nunca saberão porque os 3DO´s foram extintos e os únicos exemplares estão nas mãos de sociedades secretas de caráter duvidoso (novamente: nerds e tarados).

8 - Shining Force (Mega Drive)

O primeiro rpg tático que eu joguei na vida e ainda é o mais fodão, com melhor estória e essa porra toda. Não tinha muitos requintes técnicos, mas requinte técnico é coisa de pirralho jogador de Winning Eleven, o que vale é que o jogo era bom pra cacete. O enredo é aquela punheta de sempre, tu é uma criança que mora numa vila e tem amigos comuns, dai um grande mal se aproxima e tu descobres que és o escolhido, seja lá que porra isso te garanta, mas não faz diferença, até porque no fim tu vais vencer de qualquer maneira ou morrerás tentando. Rolam todos os arquétipos de personagens clássicos de rpg (o ninja, o malvado convertido, a mulherzinha maga, o melhor amigo que provavelmente morre/se fere, etc...). Ou seja, tem que jogar! E ainda é tático. TÁTICO! Tu pode ser pior que o inimigo e ainda vencer. Me mijei agora de tanta emoção, joguem essa merda e não chateiem...

7 - Super Mario Kart (Super Nes)

Finalmente algum joguete de apelo comercial e ainda por cima com a putinha bigoduda da Nintendo. Para quem não sabe, aparentemente esse jogo foi feito totalmente em cima de outro, japonês e desconhecido (igual Mario 2 de Nintendinho) só porque o Mário dava mais dinheiro, tinha uns coadjuvantes conhecidos e, na cabeça dos caras da Nintendo, fazia sentido colocar todos eles em karts e botar pra apostar corrida. Porra, não faz sentido nenhum, aliás nem enredo essa porra tem, mas é por isso que é tão bom. As musiquinhas beiram o surreal, tem até um carnavalzinho no meio dessa birosca toda. Jogue até a última pista e prove que você é o Monsenhor do Movimento Gay (apenas nerds, tarados e jogadores que venceram Mario Kart entenderão essa tentativa fracassada de jocosidade). As versões mais novas são totalmente distorcidas, dizem os "entendidos" que são boas, mas na real são uma merda, cuspo nelas.

6 - NHLPA Hockey 93 (Mega Drive)

"O" jogo de hockey (aquele esporte onde o goleiro é o Jason do Sexta-Feira 13 e todos os jogadores usam tacos de golfe para se esbofetearem e darem porrada num disco de ferro). Não sei porque ganhou o nome diferente do resto da série, que se chamava só NHL Hockey. Vai ver não tava vendendo bem e resolveram por mais letras para ver se a pobretude achava que ai o jogo valia o preço dele, já que vinha com o P e o A a mais. Bom, o que importa é que tu podia pegar o Pittsburg Penguins e fuder com todos os outros times, porque o Mario Lemieux era extremamente roubadinho e dava surra de pica mole nos outros jogadores. É só pegar a bola na saída com ele, sair diblando, chegar na cara do Jason inimigo, colocar por lado, apertar o botão de passe e partir para o abraço. Agora que dei o macetão para vocês, joguem sem parar (até porque não tem saves nem passwords e o Playoff completo é interminável, só consegue terminar quem não tem vida). Players machões podem pegar o San José Sharks e tentar vencer, mas vão fracassar, claro.

5 - R-Type (Master System)

Alguém ai me chamou de putinha da Sega? Vão se fuder todos, não é culpa minha se os consoles da Nintendo só tinham jogos mal-feitos e imprestáveis (e mesmo assim fui piedoso e coloquei alguns na lista). Esse jogo prova que joguinho de nave é coisa de machão e não aquele Tratado à Putisse que é o Gradius, com trezentos Power-Ups e tirinhos pra tudo que é lado. R-Type tinha um gráfico estúpido pra época (mostrava que o Master era muito mais videogame que o Nintendinho), a dificuldade era legal e não te fazia desistir por ser muito fácil ou muito difícil. Os mestres davam até medo (se tu fosse pederasta, claro) e dava pra mostrar pros teus coleguinhas donos de Nintendinhos pra eles verem uma vez na vida um jogo com cores, jogabilidade e diversão, tudo junto. A estória eu não lembro, mas basicamente era um filme do Rambo: tu pega tua arma (no caso a nave) e sai atirando em tudo e em todos, porque nesse ponto ninguém era teu amigo. No fim, tudo explode, tu salva a Terra e recebe como recompensa o amor de todos e umas 12 mulheres insaciáveis (acho que não era bem isso, mas gosto de pensar assim quando jogo R-Type...).

4 - Super Mario World (Snes)

Um dos poucos jogos que prestavam exclusivos pra consoles da Nintendo. Acho que depois desse só veio Super Smash Brothers, mas eu falando isso vou spoilear a segunda posição, então não falo nada (?!?). Nesse jogo tu é o Mário (aquele mesmo...) e sai no mundo todo a procura de ovos, pelo que entendi para fazer uma omelete exótica com espécies em extinção (no caso os dinos Yoshi). Os Yoshis até tentam te impedir, mas tu domesticas eles no caminho (tanto que quando te acertam usando o Yoshi ele sai correndo e fugindo, tens que ir atrás... Nunca tinha pensado nisso, hã?). Vai coletando cogumelos halucinógenos para deixar o Mário ligadão e disposto a matar inocentes quelônios que se opuseram à aventura culinária desse italiano fdp e chapado. No fim tu já tá no auge da viagem e enfrenta uma tartaruga montada num palhaço voador, ou seja, tudo se passa na tua cabeça, na real tais é atirado no chão na primeira fase, todo vomitado e sendo arrastado pelo Luigi, teu irmão, todo envergonhado. Esse é o final verdadeiro do jogo que só é revelado se vences sem usar cogumelos, ou seja, jogando sóbrio.

3 - Final Fantasy X (Playstation 2)

Eu, no alto da minha onipotência, chorei com o enredo desse jogo e nem queria terminá-lo porque tinha sacado que no fim eu tinha que morrer para salvar o mundo e a pobre da Yuna ia ficar sem ter quem comesse ela. Mas venci pra mostrar que eu sou fodão e que não deixo jogo sem final. O gráfico é foda, a estória é foda, os combates são fodas, os Summons são fodassos (ainda mais se tu treinas o Bahamut ao extremo, dai podes até vencer os mestres do fim com um Overdrive dele só). Fora que tem como personagem jogável o Auron, que é do caralho e luta com um braço só, mostrando que é fodão mesmo e o mundo que se exploda. Depois desse jogo fizeram o X-2, que na real é "As Panteras na terra de Final Fantasy X" e claro que é uma merda e só serviu para os nerds e tarados (sim, aquela gente de sempre) bater punheta com a Yuna e a Rikku de calcinha de fiozinho e corpos de fora. O jogo em si é feito totalmente em cima do X e nas coxas, com estória estroncha, onde fodem o final desse aqui e trazem o Tidus de volta. Vão se fuder, japas! Já não tavam ricos o suficiente? Vão avacalhar as memórias dos outros!

2 - Super Smash Brothers (Nintendo 64)

Sim, um jogo da Nintendo chegou em segundo. Mais improvável que isso só mesmo se fosse um jogo do apagado console N64, e pior que foi um jogo desse console. Mas, digo-lhes, é O jogo. Do caralho, podes escolher pegar um monte de personagens da Nintendo e dar surras em outros personagens da Nintendo, mas vou largar a real, é só pegar o Kirby e mandar porrada em todos, porque o Kirby voa e ele nunca cai no abismo. Acho que os japas não pensaram nisso quando programaram os personagens e deixaram o Kirby roubadinho mesmo. Além disso ele ainda pode roubar o poder de qualquer personagem, porra, mais roubado que isso só usando Game Shark... O mestre do fim é a mão de alguém e tu descobres que os personagens do jogo eram todos bonequinhos, que nem no desenho aquele Toy Story, mas dai já não importa mais, tu mete a porrada na mão (que é meio roubada do Mickey, mas tudo bem...) e vence o jogo de qualquer jeito, só pra mostrar pra tua gurizada que tu é o fodão e eles que baixem a cabeça quando cruzarem por ti na rua. As versões mais novas do jogo tem mais personagens e golpes, mas claro que esse é melhor e os outros só fuderam com a jogabilidade, garanto que pioraram o Kirby e eu não aceito isso.

1 - Toe Jam & Earl (Mega Drive)

Claro que o Toe Jam & Earl ia tirar primeiro. Toda listagem de jogos, não interessa época, estilo ou plataforma, tem esse jogo em primeiro, simplesmente porque ele é o jogo mais porrada que já se fez. Pra começo de conversa, os personagens foram criados no começo do Mega pra serem os símbolos da Sega, mas dai os japoneses acharam que os americanos iam se ofender com a imagem que os japas tinham deles (TJ e Earl eram meio, digamos assim, lesados) e dai usaram os mascotes nesse jogo, criando um novo para ser o símbolo da empresa (para quem não sabe, o Sonic). Esse jogo é brilhante, surreal e mesmo que tu não entenda porra nenhuma ou não goste, tu sacodes a cabeça e sorri de qualquer jeito, só pra não te acharem um debilóide. A estorieta é a seguinte: dois aliens doidões estavam dirigindo embriagados e batem a nave, caindo na Terra. Eles querem voltar pra Funkotron o planeta suingado deles, mas a nave se detonou. Dai tu sais na Terra sendo um dos dois do título (ou os dois, em modo cooperativo) atrás dos pedaços da nave e dos mapas das fases, enfrentando inimigos geniais como a GORDA DO SUPER ou o DENTISTA SÁDICO. Tem também o DOMINGUEIRO DO CORTADOR DE GRAMA, o BICHO-PAPÃO, os NERDS e as malditas e malignas GALINHAS DEBOCHADAS ATIRADORAS DE TOMATES. Jogo perfeito, todos os outros rezam um pouco para ele antes de dormir. Jogue e seja iluminado também. A continuação para Mega Drive foi feita por pessoas más e desvirtuadas que odiavam esse jogo, por isso ficou aquele cocô. Devem ter sido os mesmos criadores de Final Fantasy X-2...

Menções Honrosas (vulgo "Perdedores chorões"): Civilization, Road Avenger do MegaCD, Rock and Roll Racing, Sonic 2, Fifa 94 de Mega, Plaque Attack de Atari, Golden Axe, Streets of Rage, True Love (sim, o jogo do nerd punheteiro) e Soul Calibur 3 (porque dava pra criar o invencível SEU MADRUGA, com o qual nunca fui derrotado)...

#Sir_Baumgarten gostava de todos eles, apesar de só jogar os jogos nos intervalos de Toe Jam & Earl...