O Fantástico Mundo de Baumgarten

Uma incrível perda de tempo narrando as experiências (uii!) e pensamentos de alguém que vê o mundo em outras cores. P.S.: "outras cores" é uma metáfora, não sou de maneira alguma estragado dos olhos. Se você pensou isso, a culpa é do português, essa maldita lingua que permite dupla conotação. Se mesmo assim você não entendeu, é uma pessoa burra demais pra merecer minha atenção e eu provavelmente só lhe trato bem por interesse ou pena. Pare de chorar e viva com isso!

Minha foto
Nome:
Local: Rio Grande, RS, Brazil

Todas as religiões convergem em um ponto: é impossível descrever Deus de maneira coerente. Partindo deste princípio universal, me resguardo o direito de não falar muito sobre mim. Resumidamente: sou autoritário, temperamental, tenho rompantes de anti-socialidade, gosto de ficar sozinho e busco desesperadamente na vida a eternidade. Buenas, é isso, seu fuxiqueiro curioso dos infernos!

29.4.13


Não é só a RBS que faz isso, mas enfim... agora jornalista virou juiz!

Cabe reparar que, apesar de usar "suspeito" como identificador (para evitar processo, caso fosse no Brasil), o jornalista deixa transparecer que já houve um julgamento (dele, provavelmente próprio) e que o "suspeito" já teve decretada sua prisão e, possivelmente, execução sumária.

Onde eu vejo isso? Simples, no verbo principal da frase: CAÇA.

Não se "caça" delicada e amigavelmente coisa alguma, se caça algo para eliminar, apreender violentamente, consumir (talvez em prol do apaziguamento da fome social por culpados). E geralmente se "caça" animais, o que o jornalista, ainda que inconscientemente, diz que o "suspeito" é.

O que eu acho sobre isso? Eu não acho nada, não tenho informação suficiente (ou imparcial o suficiente) para julgar se o suspeito é ou não é o criminoso. Se for, que se passe o dito cujo pelo sistema legal e deixe o sistema punir de acordo. Mas só resolvi postar isso para dar uma diversão aos desocupados rede afora bwahuehuaheuaeuhauehauehauheu


Cara, boa sorte pra quem decidir investir nisso... Vai precisar, sendo o Brasil...

Um mercado que internacionalmente tem tendência de abandonar rapidamente as mídias físicas (que são vendidas em lojas) em prol da distribuição digital (onde só ganha a produtora); um país que atocha de impostos; produtos que não conseguem concorrer em preço com os importados; pirataria...

Promissor pra caramba, gente boa! bwahueuhauae

Pra embasar melhor:

No site dessa loja - Halo 4 Xbox360 - 149 reais (+ frete, provavelmente)
Na Play-Asia (loja internacional) - Halo 4 Xbox360 - 59 reais (frete grátis)

No site dessa loja - GTA IV Xbox360 EDIÇÃO BÁSICA - 111 reias (+ frete, provavelmente)
Na Play-Asia - GTA IV EDIÇÃO COMPLETA - 60 reais (frete gratis)
Na Xbox Live (distribuição digital) - 79,90

Mesmo num caso de taxação, os valores raramente se tornam desinteressantes, e a taxação nem é certa...

Na buena... boa sorte pros investidores :) Até pq tem toda cara de matéria "comprada" pelo dono da loja...

20.8.12

O Incorrigível Capitão Baumgarten #5

Meros 5 anos depois do volume 4... E tem desenhista que ainda reclama de prazos para fazer revistas. Isso que é agilidade!

http://www.mediafire.com/view/?6psc7od1dxa4f42


26.7.12

Bah, e segue a mediocridade jornalística! Os caras não se prestam nem a pesquisar direito sobre o que escrevem...

http://www.clicrbs.com.br/especial/rs/itapemafmrs/19,1367,3833192,Ex-baterista-da-Legiao-Urbana-estreia-nos-vocais-de-sua-nova-banda.html

BULLSHIT! O primeiro cd solo do cara é de 2000, tinha até clip na MTV (quando ainda tocava música na MTV...). Depois da Chuva, o nome da música...

Digo e repito: depois ainda querem lutar por exigência de diploma... Vale lembrar daquela "ilustre" matéria que saiu esses dias (e foi deletada antes do final do dia, por vergonha) em que entrevistaram um gaúcho que NÃO estava NEM PERTO do massacre no cinema dos EUA. E ainda fizeram parecer que era grandes coisas... De tão patético que foi a matéria saiu do ar, não sem antes o Bairrista fazer uma paródia (que, ironicamente, era menos engraçada que a matéria real bwahhahahahah).


Bah!

14.6.12


Da série: Pensando direito sobre o que os outros pensaram errado (se tivessem pensado certo não tinham cagado)


Assistam ao comercial e me digam: qual a imagem que a porra da empresa tem do seu público-alvo? 

Das duas, uma: ou ela imagina que o potencial comprador do carro é mentalmente lesado e tem menos expressão que o Ben Affleck; ou ela simplesmente acredita que os surfistas, potenciais compradores, são todos mentalmente lesados.

Qualquer que seja a opção o resultado é uma merda. 

Parabéns, campeões!

Só fico mais conformado com essa porcaria ter visto a luz do dia se me disserem que o "ator" mentalmente lerdo é realmente deficiente mental e os publicitários estavam dando uma força pro cara ao colocar ele no comercial... Tipo a Globo fez com o Chico Anysio naquele especial de fim de ano (mas o Chico merecia, pelo conjunto da obra foda).

24.9.09

As Crônicas de Baumgarten: A Batalha de São Paulo - Dia 3

Dia 3 - Prisioneiro bom é prisioneiro que não é mau

9:15 - "Amanheceu e estão todos mortos. Não tenho idéia de como ainda estou aqui, meus companheiros caíram um a um até só restar eu próprio. Estou certo de que a comida em fórmula de cápsulas que a moça de branco vinha me dar de 8 em 8 horas acabou fazendo meus companheiros sumir. Devia ser envenenada e mágica! Agora estou sozinho e aprisionado pelos traiçoeiros inimigos que vestem branco e usam mecanismos diabólicos e de ponta gelada para ouvir minhas entranhas. Preciso de um plano".

12:47 - "pffffffffffff ewfwefohhrtr comscwefewfergebgebebne gggggggggggggggggggg 23r23rr43943ggf&3$*%$)@)@)@)@)fewfefe!! oiwfweofin 43t43t34545445ygreefd lololoefeufnergenrgern".

18:21 - "Minha cabeça me fulmina, acho que fui posto para dormir com o alimento envenenado em forma de comprimidos. Algumas páginas de meu diário de guerra apareceram rabiscadas com uma língua incompreensível. Começo a acreditar que existem criaturas de outras dimensões por trás de tudo isso... Preciso de um plano!".

22:22 - "Amanhã terei 30 minutos de passeio ao sol, é minha chance de dar um golpe certeiro no coração dos seres extradimensionais que se travestem de inimigos de branco. Essa guerra nunca foi destinada a ser vencida por um batalhão afinal de contas, é um combate de um só homem".


23.9.09

As Crônicas de Baumgarten: A Batalha de São Paulo - Dia 2

Dia 2 - Os arpejos do combate

08:00 - "Despertamos após uma madrugada de tensão. Sons de batalha (ou dos malditos automóveis que parecem ter dominado essa porra de cidade... é a revolução das máquinas, definitivamente) eram ouvidos vindo de todo o lado. Alguns de nossos jovens urinaram-se, isso não é bom sinal. Porcos malditos, me tiraram a fome para o tão cobiçado café (ou teria sido o café de pobre e custando 7 reais que me ofereceram?). Somente uma coisa me vem à mente: o que diabos significa essa palavra tão bonita e sonora chamada ´arpejo´? Na dúvida utilizarei poéticamente".

10:30 - "Começamos a jornada rumo à nossa primeira posição. Precisamos tomar a colina (ou chegar na parada de ônibus, caso tu leias isso pensando no mundo real e não na minha esquisofrenia), caso contrário estaremos em desvantagem para o inevitável enfrentamento (se tem algo que George Lucas me ensinou foi que um bom Jedi tira proveito dos higher grounds). O caminho é mais longe do que os mapas indicavam, malditos cartógrafos (maldito Google Maps)!".

12:30 - "Após percorrer aproximadamente quatro vezes mais caminho do que o previsto encontramos a colina. Para minha surpresa existe um vilarejo generoso aqui, nos ofereceram sua melhor comida, bebida e abrigo. Infelizmente o que eles tem de melhor nos parece mijo perto do que temos no longincuo lar. Mais uma razão para voltar para casa. Ao menos até agora nada pareceu envenenado ou uma emboscada, embora eu tenha tido que me registrar e tenham me dado uma pasta que facilmente ocultaria um rastreador. Sem chance, vou confiar nesses altamente receptivos cidadãos inimigos".

17:30 - "A colina está conquistada, o vilarejo continua nos oferecendo suporte. Alguns de meus homens vomitam, um outro caiu morto após ingerir a generosa bebida que nos é oferecida aqui. Com certeza o malogro nos ronda, mas graças ao bom deus da guerra temos este vilarejo generoso e prestativo que continua nos servindo comida e bebida de graça. Eu próprio estou sofrendo de duras reviravoltas intestinais. Temo sequer conseguir terminar este escrito sem correr à moita para liberar água pelo reto. Amanhã avançaremos mais e deixaremos apenas um posto avançado aqui. Se o diário encerrar aqui eu fui capturado, obriguem o governo a invadir tudo e matar milhares de inocentes em nome da minha vingança".

19.9.09

As Crônicas de Baumgarten: A Batalha de São Paulo - Dia 1

Dia 1 - Uma engenhosa arapuca

06:00 : "A adrenalina não me deixou repousar e isso pode ser fatal nas trincheiras. O cheiro da batalha que se aproxima toma conta de meu aposento (embora talvez seja a falta de banho, o nervosismo tende a me causar relaxo). Posso estar registrando aqui meus últimos pensamentos. Se eu não retornar espalhem lendas épicas sobre mim (ainda que eu provavelmente tenha sido morto por distração ou numa clara demonstração de covardia)".

06:37 : "A higiene removeu os tentáculos da noite mal dormida de meus ossos, mas o alívio deve durar pouco. Irei sucumbir ao sono em breve durante a infiltração aérea no território hostil. Com alguma sorte me esquecem no avião e só me notam quando retornarem à segurança. Por outro lado, se o avião for derrubado tombarei sem sequer perceber. Não é honrado, mas certamente vai doer menos".

08:50 : "O cansaço volta a me assombrar. O avião está por decolar e eu certamente não estarei desperto quando tomarmos os ares (o que é uma benção, evitará meus gritinhos de medo de voar e os incontáveis momentos de pânico a cada turbulência)".

9:45 : "Um solavanco acaba de me retirar o mundo dos sonhos; conseguimos de alguma maneira penetrar facilmente no território inimigo e atingimos o solo (embora não suavemente, imagino que o piloto esteja morto ou tenha dormido durante o vôo). Meu pescoço arde com cada movimento , provavelmente estive em uma posição ruim. A noite cobrou seu preço por me poupar dos medos dos ares (ou talvez tenha sido a overdose de Dramin , vai saber)".

10:28 : "Eu e meus homens chegamos aos nossos abrigos (não sei o que é pior, a possível dupla interpretação homossexual desse começo de frase ou o fato de ser tudo fruto da minha insônia e farta imaginação - já que vim sozinho e estou fingindo cobrir uma guerra). Grosseiramente fomos recebidos com crueza, acabo de ser informado que só posso me acomodar depois das 12 horas. Não conheço a região e o abrigo nos expulsa; a guerra começa promissora".

12:03 : "Matamos alguns animais silvestres e fizemos nossa primeira e primitiva refeição: aves cruas e suínos defumados em pequenas fatias de pão que dispunhamos (vulgo "Subway Melt de 15 cm"). Com a fome saciada começo a pensar mais claramente: entramos fácil demais nessas terras amaldiçoadas, estou certo de que é uma emboscada. Gostaria de fazer algo a respeito, mas a digestão está muito preguiçosa e então entrego ao bom Deus dos gordos".

15:52 : "Até agora não avistamos qualquer inimigo e também não fomos perturbados. Após uma necessária visita ao mato amigo a refeição já não nos pesa mais nos estômagos. Dedicaremos o que resta do dia ao planejamento de nosso avanço logo ao amanhecer (o que, na verdade, é uma desculpa esfarrapada para ocultar a verdadeira programação - carteado trapaceiro e vadiagem vergonhosa). Espero ter algum tempo para registrar mais acontecimentos antes de (voltar a) adormecer quando as horas avançarem mais. Até lá presumam-me vivo (embora não faça sentido, pois diários de guerra só serão lidos quando forem achados junto aos corpos daqueles que os escreveram)".